Adeptos do Desporto Rei

Ser Sporting convida ..., 24 de Março de 2010 10:44

O futebol português teve, de facto, três violentos episódios nas última semanas. É uma singela constatação. Preocupante? Um indício de algo?

Verifico que muitos se desdobram em justificações de ordem sociológica ou política, sempre colocando as claques debaixo de fogo. Em contra-ciclo com a opinião popular da moda, direi que as claques têm um papel importante no futebol, pela cor e animação que transmitem ao mesmo e pela organização vocal que propicia, em determinados momentos, soberbo apoio aos seus clubes.

Existiram excessos nos últimos tempos. Escusar-me-ei de os detalhar pois são do conhecimento público. Mas creio que as responsabilidades serão sempre repartidas, mesmo que em partes desiguais, entre adeptos não organizados, claques, polícia, comunicação social e dirigentes desportivos. Enquanto tal não for devidamente assumido por todos e preferirmos, ao invés, apontar o dedo em exclusivo a alguém, não poderemos partir para a resolução de um problema que nos deverá preocupar a todos.

O erro das generalizações, consiste em tomar o todo pela parte. E, neste momento, gostaria de destacar o importante papel que os adeptos podem, e devem, ter no futuro do futebol europeu. Os adeptos, sobretudo aqueles não organizados, devem procurar intervir cada vez mais, de forma responsável, nos seus clubes, estabelecer plataformas de debate e canais de comunicação e colaborar activamente no crescimento daqueles.

Michel Platini e a UEFA já reconhecem o papel que os adeptos podem vir a desempenhar no futuro, considerando-os um importante parceiro de diálogo enquanto um dos principais stakeholdes do futebol.

Em Portugal temos ainda alguns passos a dar, ao nível federativo, ao nível da Liga, mas, sobretudo, ao nível dos adeptos dos diversos clubes.

A Associação de Adeptos Sportinguistas tem sido contactada por adeptos de outros clubes, motivado por alguma curiosidade e igualmente a necessidade daqueles em intervirem activamente nos seus clubes. Temos prestado o apoio possível, sabendo a priori que qualquer projecto desta natureza e dimensão envolve muito trabalho e dedicação. Um verdadeiro espírito de missão. E tal estará sempre a cargo dos seus promotores.

Esta semana, foram-me solicitadas algumas palavras a serem transmitidas a um grupo de adeptos do Brescia que irão, em breve, fundar uma Trust. Palavras de carácter motivacional, sobretudo.

Muito se está a passar em Itália, nos dias que correm, com inúmeros adeptos de clubes a procurarem estabelecer bases para criarem as suas Trust e aumentarem o poder interventivo nos seus próprios clubes, fruto da aquisição de uma, maior ou menor, posição accionista.

Em Portugal, tal nunca foi considerado, pensarão alguns. Quiçá mais ingénuos. Existindo em Portugal um modelo misto de gestão, que agrega o associativismo com a capitalização bolsista, nunca tal modelo de participação foi, de facto, necessário dado que nós, adeptos, podemos ter sempre voz nos nossos clubes bastando para tal que nos tornemos sócios. Assim, pelo menos pela via da presença em Assembleias gerais ou pelo exercício de voto nestas, eleitorais ou não, podemos democraticamente indicar a nossa opinião.

Mas toda esta democraticidade termina no momento em que se procura cada vez mais reduzir o peso do Associativismo, tornando os clubes minoritários nas suas SADs, quer ao nível de capital quer, sobretudo, ao nível de direitos de voto.

Não deixa de ser curioso que, num momento em que o Parlamento espanhol já discute a hipótese das SADs de clubes espanhois poderem ser novamente convertidas para o modelo puramente associativista, em Portugal se continue a procurar maior exposição em bolsa em busca do propalado, mas inexistente, “El Dorado” à custa dos sócios das instituições.

Lá diz o povo que andamos sempre a reboque…e, infelizmente, a seguir sempre os maus exemplos.

Pois eu diria que está a chegar a hora de seguirmos um bom exemplo. Eu diria que está na hora dos adeptos sportinguistas demonstrarem o seu sentido de responsabilidade, dedicação e amor ao clube, e posicionarem-se na vanguarda do futebol nacional.

A hora está a chegar…o momento está definido…com a singela ajuda de todos, nada será como dantes!

Sporting Clube de Portugal, SEMPRE!

Saudações Leoninas,

Pedro Faleiro Silva

Associação de Adeptos Sportinguistas

Conselheiro Leonino Sporting Clube de Portugal

One Response to “Adeptos do Desporto Rei”

  1. Paulo Oliveira diz:

    Como somos adeptos do clube do FOREVER porque nao assinar esta petição

    http://www.peticao.com.pt/izmailov-no-scp-forever

    Vamos mostrar que nao acreditamos que ficamos com uma equipa mais forte quando afastam os nossos melhores jogadores, vamos fazer uma força para que fique a jogar de verde um jogador que rejeitou uma proposta mais vantajosa financeiramente para jogar no Sporting. Vamos mostrar que estamos atentos ao que poderia ser uma tentativa de fazer a IZMAILOV o que foi feito a mantorras pelos animais do outro lado da rua.

    Izmailov Forever

Leave a Reply

Panorama Theme by Themocracy