Futsal 2010/11

Miguel Guerreiro, 24 de Agosto de 2010 18:17

A equipa de Futsal do Sporting Clube de Portugal apresenta-se hoje aos Sócios e Adeptos frente à Académica de Coimbra, pelas 20h00, em jogo a realizar no Pavilhão Paz e Amizade, em Loures.

Foto oficial da época 2010/11 - Fonte: Blogue Oficial do João Benedito

Desde 6 de Agosto a preparar a nova época, a equipa agora comandada pelo treinador Orlando Duarte contou com várias mexidas:

  • Saídas: Café, Evandro, Diogo Santos e Éder
  • Entradas: Leitão (ex-Lobelle de Santiago), Mário Freitas (ex-Mogadouro), Pedro Cary (ex-Belenenses), Marcelinho (ex-Belenenses), Paulinho (ex-Belenenses) e Gonçalo Portugal (ex-júnior).

Nesta pré-epoca, o Sporting CP já realizou vários jogos de preparação dos quais saiu sempre vitorioso: Sporting CP 4 – 2 Instituto D. João V; AMSAC 3 – 10 Sporting CP; Os Patos 1 – 11 Sporting CP.

O primeiro jogo oficial da época está agendado para o próximo dia 4 de Setembro contra o Belenenses, no Pavilhão Municipal do Entroncamento, a partir das 17h00, onde o Campeão Nacional procurará conquistar a sua quarta Supertaça.

O Ser Sporting deseja a toda a estrutura do Futsal leonino as maiores felicidades para a temporada 2010/11 e que seja recheada de sucessos pessoais e profissionais, SEMPRE com o apoio de todos os Sportinguistas.

Nota: para o jogo de apresentação, os sócios com Gamebox Modalidades têm entrada gratuita e os restantes Associados podem adquirir ingressos a 1,5 euros, enquanto os não sócios pagam 3 euros.

Actualização do marcador:

  • Ao intervalo, Sporting CP ganha por 2 – 0 (Alex e Deo)
  • Resultado Final, Sporting CP 5 – 0 (os marcadores foram Alex, Deo, Djo, Mário Freitas e Leitão)

Tu és o Sporting!

Miguel Guerreiro, 8 de Julho de 2010 2:34

SEM TI, NÃO HÁ CAMPEÕES!

SEM ADEPTOS, NÃO HÁ CAMPEÕES!

Porque aquilo que nos une é muito mais do que aquilo que nos separa…

Eu, tu, ele, ela…NÓS SOMOS O SPORTING CLUBE DE PORTUGAL! Do que estão à espera?

Para mais informações: Site do Sporting CP

Democracia…eis a questão!

Miguel Guerreiro, 29 de Junho de 2010 10:30

Só no Sporting é que há Conselhos Leoninos e pedidos de auditorias, nos outros não há nada, temos democracia a mais.

Estas afirmações foram, num passado recente, proferidas pelo Presidente da Assembleia Geral Dias Ferreira, talvez influenciado pela sua irmã que defendia a suspensão da Democracia por um prazo de seis meses. Políticas à parte, interessa aqui centrar a discussão na Democracia no Sporting Clube de Portugal: presente ou ausente, de qualidade ou insuficiente?

Diferentes porque vivem o Clube

O Presidente da Assembleia Geral, e por inerência do Conselho Leonino, defende que no Sporting CP existe democracia a mais, dando como exemplo os outros clubes onde não existem pedidos de auditorias nem Conselhos Leoninos. Pessoalmente, coloco a questão da seguinte forma: os outros clubes têm democracia a menos e não é o Sporting CP que tem a mais. Querer comparar o Sporting CP com clubes como o SL Benfica, onde se aprovam Estatutos que diminuem a Democracia e onde mesmo as Assembleias Gerais mais importantes não ultrapassam a escassa centena de sócios, é querer comparar o incomparável. A história centenária ilustra bem a importância dos Sportinguistas na construção do Sporting CP, sendo exemplo disso a participação de muitos na construção do antigo Estádio José Alvalade, a título gratuito, apenas por amor ao Clube.

O Sporting CP é o Clube Português com as Assembleias Gerais mais concorridas, numa demonstração clara de como os Sportinguistas gostam de Ser Sporting e Pensar Sporting e de como querem participar na vida activa do Clube. Os Sportinguistas são, em última análise, um verdadeiro mecanismo de fiscalização e garante dos ideais leoninos. Se existe um Conselho Leonino é porque os Sportinguistas quiseram um órgão mais próximo das Direcções para aconselhar e apresentar diferentes perspectivas sobre determinados assuntos (se a sua função actual é essa ou não, é outro assunto). Se existem pedidos de auditoria é porque os Sportinguistas estão interessados em saber como se chegou a esta difícil situação financeira, para evitar que se repita no futuro.

Criticar para crescer

Algo que levanta sempre inflamadas discussões é a seguinte questão: criticar é deitar abaixo?! Por razões que não consigo compreender, muitos dos Sportinguistas acusam de “bota-abaixo”, levando ao extremo de indicar a porta da saída, outros Sportinguistas que criticam decisões tomadas pelas Direcções do Clube. Criticar apenas pelo prazer de criticar seria dizer “Bettencourt é mau Presidente porque tem o cabelo branco” ou “o Clube está assim porque são todos uns ladrões”. Contrariamente a estes casos, dizer que Bettencourt não esteve à altura para defender o Sporting CP (casos do arremesso de pedras na Academia ou nas constantes provocações do Conselho de Arbitragem) ou na exigência de conhecer em Assembleia Geral a verdadeira situação financeira do Clube não constituem de forma alguma críticas gratuitas. Constituem sim um direito (e porque não dever?) de qualquer Sportinguista exigir, apenas e só, o melhor para o Clube do seu coração.

As situações reportadas, nomeadamente pelo Ser Sporting, não são com o intuito de destruir o Clube. Quando aqui são levantadas questões sobre o modelo de governo instituído, sobre o perigo da crescente privatização do Futebol ou sobre os problemas financeiros criados, prendem-se apenas com a genuína preocupação pelo Sporting CP.

Outra situação que também já vi várias vezes ser referida é que se o Sporting CP fosse Campeão as críticas desapareceriam. Falando apenas por mim, mesmo que o Sporting CP seja Campeão (e desejo arduamente que seja) se existirem situações que sejam dúbias ou que pense não constituírem a melhor opção para o Clube exercerei o meu papel de Sócio, preocupado e exigente, apontando essas situações e dando a minha visão, apenas e só porque desejo o melhor. Costuma-se dizer que o óptimo é inimigo do bom. Mas porque não defender e exigir o excelente?!

Democracia sim, qualidade nem tanto

Decorrendo do acima exposto, penso que seja perceptível que defendo a máxima Democracia para o Sporting CP. No entanto, essa Democracia só é efectiva se for de qualidade, algo que actualmente poderá estar posto em causa. São exemplo dessa falta de qualidade quando informação que devia ser do conhecimento dos Sócios lhes é negada pela Direcção ou, quando prestada, é dúbia; quando se marcam Assembleias Gerais para dias da semana, em detrimento do fim-de-semana; ou quando os Estatutos ainda não foram actualizados para permitir o voto eleitoral descentralizado.

Mas a qualidade da Democracia não é só posta em causa pela cúpula directiva. É também posta em causa pelos próprios Sportinguistas que se afastam do Clube ou que deixam de ser Sócios. É-me incompreensível como, num universo actual de 83605 Sócios, dos quais (e a referência é apenas pela proximidade à sede do Clube) 19979 são residentes na cidade de Lisboa e 32024 são residentes no distrito de Lisboa, existam Assembleias Gerais apenas com 80 a 100 Sócios, como as de discussão de orçamentos ou de relatórios de contas, ou que apenas votem nas eleições pouco mais de 11000 Sócios. A Democracia começa e acaba nos Sócios do Sporting CP e a sua adesão à família leonina é o garante dessa Democracia.

Saudações Leoninas

Modelo de “Governance”

Miguel Guerreiro, 4 de Maio de 2010 12:21

…o modelo de governo é muito simples: consiste num Conselho Diretivo no formato em que temos hoje, com uma delegação de alguns poderes executivos numa comissão executiva extensiva a todo o universo e, portanto, a organização por sociedades dará lugar a uma organização por funções, ficando eu a acumular o pelouro de administração do futebol e o Costinha será o meu braço direito nessa área. Haverá outro pelouro com toda a componente Academia e formação, que tem na estratégia do Sporting uma importância extraordinária, com um modelo próprio de crescimento e desenvolvimento; e, depois, mais duas pessoas com mais dois pelouros. Uma com o comercial e outra com toda a parte de meios, financeira, recursos humanos, portanto, áreas de suporte ao negócio. (…) Esta visão transversal é o caminho que o Sporting necessitava urgentemente. (Record, 28 de Abril de 2010)

Muitas vezes o Presidente Bettencourt referiu a existência de conflitos internos que, por vezes, se sobrepõem aos superiores interesses do Sporting Clube de Portugal. Referiu também a existência de uma estrutura organizacional desajustada e de um modelo “altamente castrador”. No entanto, não é de esquecer que foi esta a estrutura e foram estas as individualidades que Bettencourt escolheu para a sua equipa, aquando a Assembleia Eleitoral. Esse foi, ou deveria ter sido, o momento ideal para  o delineamento de um modelo organizacional adequado. Porém, talvez fruto da precipitação, não foi dada a devida importância a tal escolha.

Em entrevista recente (excerto acima transcrito), e esquecendo o facto que foi dada aos mesmos meios de comunicação que antes tinham sido criticados em comunicado por Costinha, o Presidente Bettencourt referiu pretender reformular urgentemente todo  o modelo de “governance”, conceito que muito agrada a algumas elites, modelo esse que seria aplicado já na próxima época desportiva. Se quanto à reformulação do modelo estou totalmente de acordo – se bem que na prática as indicações dadas para o exterior são no sentido de um aumento da complexidade e não de uma simplificação da estrutura -  já a noção de urgência não consigo compreender. Vejamos:

Uma das medidas idealizadas pelo novo líder é o de recuperar e reconstituir a Comissão Executiva, onde Bettencourt será o principal decisor – funcionando como uma espécie de CEO (director-executivo) – e os directores dos diferentes departamentos do grupo terão assento. (O Jogo, 18 de Junho de 2009)

José Eduardo Bettencourt já deu a conhecer a todos os funcionários do grupo Sporting o novo modelo de organização do clube. Está assim criada uma estrutura profissional denominada comissão executiva (CE) que reporta diretamente ao presidente. (Record, 26 de Junho de 2009)

O modelo de governo do Sporting vai ser mais transversal. “Do presidente e do Conselho Directivo do clube dependerá uma Comissão Executiva, que estará representada nos conselhos de administração das sociedades”, explica Bettencourt. O presidente, que vai dirigir a Comissão Executiva, alega que o novo modelo será “uma estrutura integrada e homogénea”, organizada “por funções onde há hoje uma organização por sociedades” (O Jogo, 12 de Fevereiro de 2010)

A justificação de Bettencourt para para tal demora em implementar um novo modelo de “governance” é, segundo o próprio, de este primeiro ano de mandato ter sido “importante para me [se] aperceber de determinadas incapacidades do clube na sua organização”. Esta podia ser uma justificação totalmente plausível e razoável para quem tivesse acabado de chegar ao Clube e não tivesse conhecimento da estrutura interna e do seu modo de funcionamento. Porém, não nos podemos mais uma vez esquecer que Bettencourt não chegou ao Sporting Clube de Portugal apenas no dia 5 de Junho de 2009!

Torne-se a estrutura mais leve, mais operacional, mais responsável e  (muito importante) responsabilizável. Eliminem-se os cargos excedentes e, que de alguma forma,  se possam sobrepor. Que se crie maior cooperação entre os diversos departamentos.

As boas medidas não podem ser adiadas! O Sporting Clube de Portugal não pode continuar a ser adiado!

Saudações Leoninas

Project Finance (mais uma vez) adiado

Miguel Guerreiro, 26 de Março de 2010 13:39
COMUNICADO

Na sequência de notícias vindas a público recentemente e, ainda, em cumprimento da obrigação de informação que decorre do disposto no artigo 248º, nº1 al. a) do Código dos Valores Mobiliários, a SPORTING – Sociedade Desportiva de Futebol, SAD (Sporting SAD), esclarece e informar o seguinte:

(i) Por comunicado de 29 de Outubro de 2009 a Sporting SAD informou o mercado que, na sequência da celebração de um Contrato de Abertura de Crédito a 30 de Dezembro de 2008 e do comunicado de 30 de Junho de 2009, haviam as partes nessa data acordado prorrogar para 31 de Março o prazo previsto nesse contrato para a implementação de medidas necessárias ao cumprimento do plano de reestruturação financeira do Grupo Sporting;

(ii) Pese embora o esforço desenvolvido pelo Grupo Sporting e pelas Instituições Financeiras, ainda não foi possível, nesta data, finalizar o plano de reestruturação financeira e, consequentemente, entre outras medidas necessárias, apresentar junto das entidades competentes o processo para a emissão dos Valores Mobiliários Obrigatoriamente Convertíveis (VMOC).

(iii) Face ao exposto, o Grupo Sporting Clube de Portugal, e as Instituições Financeiras acordaram em adiar para o dia 30 de Setembro de 2010 o prazo previsto no referido contrato de Abertura de Crédito, para a conclusão das medidas de reestruturação financeira.

Lisboa, 26 de Março de 2010
O Conselho de Administração

Um Projecto Financeiro que foi anunciado como a tábua de salvação do Sporting Clube de Portugal, discutido à pressa e sem grandes detalhes (ainda hoje não sabemos o valor do passivo consolidado porque o Presidente Bettencourt recusou-se a revelar, invocando falta de condições de segurança) e aprovado à força da marreta (sucessivas Assembleias Gerais para tentar aprovar o plano) é, mais uma vez, adiado.

Afinal, e aparentemente, o Projecto Financeiro não era assim tão urgente.  Afinal, e aparentemente, ainda não será no próximo defeso de Verão que veremos o prometido aumento de investimento, como resultado da aplicação do Projecto Financeiro.

Ou será que, e aqui sou eu a colocar a hipótese, o momento não é favorável à sua implementação ou, quem sabe, à apresentação de novas medidas (invocando-se novamente a sua urgência)?

Têm a palavra os Sportinguistas!

Saudações Leoninas

Yordanov…habemus jogo

Miguel Guerreiro, 23 de Março de 2010 16:54

Acima de tudo um lutador incansável, qualidade que o ajudou a superar as adversidades de um grave acidente de viação e de uma complicada doença, Ivaylo Yordanov confirmou no Sporting Clube de Portugal a sua veia goleadora, marcando 70 golos nos 222 jogos disputados ao longo das dez temporadas de leão ao peito. Ficará para sempre na memória a sua subida à estátua do Marquês de Pombal para colocar um cachecol ao pescoço do leão daquele monumento, na loucura dos festejos do Campeonato Nacional que encerrou um longo jejum.

10 de Junho de 1995 - Yordanov "bisa" na Final da Taça de Portugal

Em 2001, depois de abandonar a carreira de jogador, Yordanov aceitou o convite para treinar a equipa B do Sporting. Do contrato assinado, com início na época 2001/02 e termo no final da época 2004/05, constava, entre outras, uma cláusula que determinava a realização de um jogo de homenagem ao jogador. Foi precisamente esta cláusula que originou o diferendo que em nada dignificou a imagem do Sporting Clube de Portugal e sobre o qual tento aqui fazer um breve apanhado.

Segundo Yordanov, apesar da sua pressão para a direcção do Clube realizar o jogo de homenagem, esta nunca chegou a avançar com uma data, mesmo após entrega da lista dos participantes. Por sua vez, a direcção do Sporting alegou que o ex-jogador abandonou o posto de trabalho «mantendo-se ao serviço até Julho de 2004, altura em que desapareceu», tendo apenas interpelado o Clube para a realização do jogo a 17 de Outubro de 2005, altura em que «as circunstâncias em que o jogo de despedida tinha sido idealizado já não se verificavam».

Não tendo as partes chegado a qualquer tipo de acordo, o diferendo foi levado ao Tribunal do Trabalho em Dezembro de 2007. Em Fevereiro do ano seguinte, o tribunal deu razão a Yordanov no litígio com a Sporting SAD, podendo ler-se na sentença (o A. significa «Autor», o Yordanov; o R. significa «Réu», a Sporting SAD):

Parafraseando o lema do S. C. P. poderá dizer-se que mercê do seu esforço, dedicação e devoção (espelhada na circunstância de ter sido escolhido para “capitão de equipa”, e de ter jogado em todos os sectores, desde o ataque à defesa) ao clube, o A. contribuiu para a sua glória (o que fez em diversas ocasiões, máxime na final da taça de Portugal da época de 1994-1995, onde marcou os dois golos com que o SCP arrebatou tal título).
Este, pois, o fundamento do jogo de homenagem em questão. Com efeito, se é certo que o futebol profissional é actualmente um negócio, não menos verdade será que o mesmo permanece um jogo de paixões, e que nas relações entre os clubes, os seus jogadores, e os seus adeptos, os afectos jogam um papel importante, e a memória constitui o maior capital da mística de qualquer clube. Homenagear os homens e mulheres que contribuíram e contribuem para engrandecer qualquer clube desportivo constitui, pois, uma tarefa importante na construção dessa memória colectiva. Daí o relevo da homenagem acordada entre as partes e, certamente, a importância que o A. lhe atribui. E será certamente por isso que, como resultou provado no caso em apreço, o A. se “sentiu e sente triste e magoado por a R. não ter realizado o jogo de homenagem”, “e não pretender fazê-lo”.

A Sporting SAD anunciou posteriormente que iria interpor recurso para o Tribunal da Relação «com fundamento na nulidade da sentença, por omissão de pronuncia, e ainda por não ter o Tribunal tomado em devida consideração os factos alegados pela Sporting, SAD, os quais obstariam à procedência da acção». No entanto, a 27 de Outubro do mesmo ano, o Tribunal da Relação confirmou a sentença da primeira instância do Tribunal do Trabalho, condenando o Sporting, mais uma vez, a organizar uma homenagem ao seu antigo futebolista búlgaro.

A Sporting SAD, não satisfeita com a sentença proferida, decidiu recorrer para o Supremo Tribunal de Justiça. Numa decisão tomada a 25 de Junho de 2009, mas só tornada pública no dia 2 de Julho, o Supremo Tribunal de Justiça considerou improcedente o recurso do Sporting, confirmando as sentenças da primeira instância e do Tribunal da Relação.  Tendo a Sporting SAD perdido em todas as instâncias, jogador e direcção, presidida por José Eduardo Bettencourt, reuniram-se finalmente em Outubro de 2009 para acordar a data de realização do jogo de homenagem.

Espera-se então que no dia 5 de Maio de 2010, pelas 20h30m no Estádio José Alvalade, se encerre definitivamente este triste capítulo na história centenária do Sporting Clube de Portugal que opôs a direcção a uma antiga glória do Clube, que  tão simplesmente queria um jogo para se despedir dos Sócios e Adeptos Sportinguistas.

Não teria sido mais simples e mais correcto a imediata resolução deste diferendo, sem que se tivesse que passar por um longo e penoso processo que em nada beneficiou a imagem do Clube? Destaque pessoal ainda para o facto de ser um Tribunal a relembrar aos dirigentes do Clube a extrema importância da paixão, da mística e da construção de uma memória colectiva para o contínuo engrandecimento do Sporting Clube de Portugal.

«Yordanov é credor do respeito e admiração de todos os Sportinguistas. Veio de longe mas ama a camisola Sportinguista como qualquer Adepto do Clube»

in Enciclopédia Fundamental do Sporting

Saudações Leoninas

Só eu sei…

Miguel Guerreiro, 17 de Março de 2010 13:30

É já amanhã, 18 de Março de 2010, que a equipa de futebol do Sporting Clube de Portugal joga uma cartada decisiva na definição da corrente época desportiva: a total falência do projecto desportivo delineado pelo Presidente Bettencourt ou, por outro lado, o consolo de um, até agora, imaculado percurso na Liga Europa e, quem sabe (e todos esperamos que sim), a conquista desta competição.

Respondendo aos muitos pedidos dos Sportinguistas, a Direcção decidiu finalmente (e muito bem) privilegiar um Estádio José Alvalade cheio de apoio leonino a uma possível melhor receita de bilheteira, mas com menos apoio. Os preços para este jogo da segunda mão dos oitavos-de-final, como pode consultar aqui, são extremamente convidativos – 10€ para Sócios, para qualquer bancada, e a partir de 15€ para Adeptos – pelo que, e não existindo nenhum impedimento de ordem superior, não há nenhuma desculpa para os Sportinguistas ficarem em casa.

Mas como não há bela sem senão, deixo aqui registada a minha estupefacção quando tomei conhecimento que os bilhetes comprados via internet estão sujeitos a pagamento de taxas, como pode consultar aqui. É totalmente inconcebível que um Sportinguista, por morar longe do Estádio e pretender comprar antecipadamente o seu mágico ingresso, seja sujeito ao pagamento de 6€ para o levantar no Estádio. Se a taxa de 5€ na compra do bilhete no dia do jogo, já de si discriminatória para quem reside mais longe, foi abolida, também esta taxa o deveria ser.

Taxas à parte, fica a seguinte curiosidade. No dia do jogo fará precisamente 46 anos que o Sporting goleou o Manchester United, em Alvalade, por 5 a 0, em jogo a contar para os quartos-de-final da Taça das Taças. Que a história centenária do Clube possa, de alguma forma, inspirar os nossos jogadores e que voltemos a espantar a Europa e o Mundo, despachando o Atlético de Madrid e iniciando a caminhada para a Final da Liga Europa.

Não se esqueça de apontar na sua agenda leonina: dia 18 de Março de 2010, pelas 20h 05m, no Estádio José Alvalade.

Só eu sei porque não fico em casa!

Saudações Leoninas

Modalidades – Dia de vitórias!

Miguel Guerreiro, 14 de Março de 2010 1:05

O Sporting obteve ontem dois excelentes resultados em jogos disputados fora de casa. Em Futsal, derrotou o SL Olivais por 4-2, com golos de Café, Cardinal, Divanei e Alex. Foi uma vitória bastante suada, muito por culpa do guarda-redes adversário (Piranha, que já passou pelo nosso clube) e pela dupla de arbitragem que, mais uma vez, tentou empurrar a nossa equipa para baixo. Coincidência ou não, uma arbitragem escandalosa a voltar a acontecer, numa jornada iniciada com o Sporting à frente do clube que joga na freguesia de Carnide. Enfim, nada de novo portanto. Destaque para a excelente afluência dos Sportinguistas ao pavilhão do Casal Vistoso, que se encontrava muito bem composto.

Na próxima jornada, o Sporting terá um adversário complicado, recebendo em Loures o Freixieiro.

Já no Andebol, o Sporting deslocou-se aos Açores para defrontar o Sporting da Horta, conseguindo derrotar a equipa local por 25-22. Um excelente resultado num pavilhão bastante complicado e, dado o que tem sido a época, finalmente mais uma vitória fora de casa, onde temos estado muito aquém daquilo que poderíamos fazer. Na Quarta-Feira, o Sporting recebe pelas 21:30 o Xico Andebol e, em caso de vitória, garantirá a presença na Fase Final do campeonato.

Diogo Chen - (c) Hugo Malcato

Não posso terminar este texto sem destacar a excelente prestação da grande esperança do Ténis de Mesa do Sporting, Diogo Chen.

Diogo Chen sagrou-se Vice-Campeão do 12º Torneio Internacional Cidade Póvoa de Varzim, na classe de Juniores Masculinos. Sendo um atleta Cadete (2ª época), este resultado torna-se ainda mais espectacular, pois disputou o torneio num escalão acima do seu.

Parabéns Diogo e respectiva secção de Ténis de Mesa. Um exemplo para todas as secções do Sporting. Que assim continuem!

Autor: Mário Marçal

O violino Albano

Miguel Guerreiro, 5 de Março de 2010 14:59

Faz hoje precisamente 20 anos que a família Sportinguista ficou um pouco mais pobre. Apesar de nunca o ter visto com os meus próprios olhos envergar a mítica camisola verde e branca, presto-lhe a minha singela homenagem e agradecimento por tudo o que deu ao Sporting Clube de Portugal e aos Sportinguistas.

Nome: Albano Narciso Pereira

Data Nascimento: 21 de Dezembro de 1922

Naturalidade: Seixal, Portugal

Posição: Extremo esquerdo

Nascido no Seixal, Albano principiou a jogar futebol no clube da terra, depois foi para os juniores do Barreirense e voltou ao Seixal já como sénior.

Jogador de baixa estatura mas muito rápido e habilidoso, e acima de tudo com uma capacidade de drible fantástica, começou a dar nas vistas e em 1943 foi contratado pelo Sporting, que pagou pelo seu passe 20 contos, uma verba pouco habitual na altura, e que inclusivamente motivou alguma contestação no seio do Clube, que atravessava um período de dificuldades financeiras.

Mas o investimento acabou por se revelar produtivo, numa altura em que alguns jogadores da linha avançada do Sporting já estavam em fim de carreira, cabendo a Albano ocupar o lugar de extremo-esquerdo, substituindo João Cruz, outra grande figura do Clube.

No Sporting Albano integrou a célebre linha avançada que ficou conhecida como os Cinco Violinos, mas ainda jogou numa fase de transição da grande equipa de Joseph Szabo para para o período áureo do futebol leonino, tendo participado na conquista da Taça Império e de oito Campeonatos Nacionais, quatro Taças de Portugal e dois Campeonatos de Lisboa, realizando mais de 500 jogos, 323 dos quais oficiais em que marcou 153 de um total de cerca de 250.

Foi internacional 13 vezes marcando 3 golos ao serviço da Selecção Nacional, na qual se estreou a 5 de Janeiro de 1947, contra a Suíça, no Jamor, no célebre jogo da chuva que ficou empatado a dois golos, sobre o qual mais tarde disse: “Choveu tanto naquele Portugal-Suíça que eu encolhi mais dois centímetros” – uma tirada reveladora do seu sentido de humor e constante boa disposição.

De resto os episódios engraçados foram vários ao longo da carreira de Albano, principalmente quando enfrentava defesas altos e duros, a quem punha a cabeça em água, tendo mesmo uma vez passado entre as pernas de um calmeirão escocês. Mas também levava muita porrada sempre que o apanhavam a jeito, abusando das diferenças de cabedal, o que também contribuiu para que ele fosse um jogador muito querido pelos adeptos que não toleravam esses abusos.

A 29 de Julho de 1957 teve a sua festa de homenagem e de despedida do Sporting, quando muitos já lhe chamavam velho, depois de uma época em que fez apenas quatro jogos, afirmando então humildemente que continuaria a jogar na reserva ou onde fosse necessário, até o Sporting o mandar embora.

Voltou ao Seixal, por onde ainda jogou e treinou, e adquiriu um café com o dinheiro que tinha ganho no futebol, mas o negócio falhou principalmente porque abusavam do seu bom feitio, pelo que acabou por se empregar como corticeiro numa fábrica, sem nunca abdicar da sua forma bem disposta de viver.

Recebeu, em 29 de Junho de 1967 a Medalha de Ouro da FPP e mais tarde o grau de Mérito da AFL, como reconhecimento dos relevantes serviços prestados,

Faleceu a 5 de Março de 1990 e oito anos depois foi distinguido com o Prémio Stromp, na categoria “Saudade”.

Fonte: Wiki Fórum SCP

Respeito exige-se!

Miguel Guerreiro, 2 de Março de 2010 0:26

PC: (…) o cabelo branco, como estava lixado, porque antes do jogo deixei-o…eu deixei-o publicamente de mão no ar, perante…
Valentim: Pois eu sei!
PC: …perante os funcionários…deixei-o de mão no ar…e o gajo então fez aquela cena de que o Mourinho rasgou a camisola! Como se um gajo pudesse rasgar a camisola assim sem mais nem menos! Não, vamos-lhe pôr um processo-crime! Agora…
Valentim: Eheheh
PC: Agora o gajo vem com a desculpa de que foi o roupeiro…que é um atrasado mental, o tal Paulinho…que disse! Isso a mim não me interessa! Até pode dizer que foi o cão, não é? Quem disse foi o gajo!
Valentim: Mas quem é que disse que…que foi o Mourinho que não sei quê?!
PC: O… o…o…Bettencourt veio dizer…
Valentim: Eu ouvi! Isso eu ouvi, pronto!
PC: …Que quem disse foi o roupeiro, que é aquele atrasado mental…
Valentim: O roupeiro deles?
PC: Sim…que é o Paulinho, aquele gajo que é atrasado mental!!!

A escuta telefónica aqui transcrita, apesar de já não ser nova (1 de Fevereiro de 2004), foi tornada pública no dia 20 de Janeiro de 2010. Nela, o Presidente do FC Porto, Pinto da Costa, relatou a Valentim Loureiro a forma como ridicularizou o actual Presidente Bettencourt deixando-o “publicamente de mão no ar”. Porém, e mais grave ainda, Pinto da Costa insultou o enorme Paulo Jorge Gama, um símbolo do Sporting Clube de Portugal, carinhosamente conhecido por Paulinho.

A partir do imediato momento em que estas escutas foram tornadas públicas a Direcção do Sporting Clube de Portugal, directamente ou indirectamente através do Departamento de Comunicação, deveria ter exigido um pedido de desculpas a Pinto da Costa e ao FC Porto. Mesmo que o Presidente Bettencourt não se tenha sentido beliscado por ser alvo de gozo por parte de dirigentes com responsabilidades no Futebol Português, a forma como Paulinho foi atacado era razão mais que suficiente para a tomada de uma medida de força. Ao mesmo tempo, ficava  o aviso para os restantes clubes e seus dirigentes que o Sporting Clube de Portugal não iria pactuar com faltas de respeito à Instituição e aos seus Associados e Adeptos.

No entanto, o que se ouviu por parte da Direcção foi um ensurdecedor silêncio.

Recentemente, e mais concretamente no jogo para o campeonato que opôs o Sporting CP ao FC Porto (tendo o nosso Clube ganho de forma brilhante), Pinto da Costa voltou a ser recebido com a cordialidade que apenas quem sempre respeitou o nosso Clube merece ser tratado.

A Direcção do Sporting permanece assim, aparentemente, mais empenhada numa tentativa inglória de pacificação do Futebol Português, descurando a defesa intransigente do Sporting Clube de Portugal e dos seus Associados e Adeptos.

Salva-se no entanto o facto de o Sporting ter dado três chapadas de luva branca a quem sempre nos desrespeitou, pelo que, em meu nome pessoal, dedico esta vitória ao nosso Paulinho que tanto tem dado ao Sporting.

Saudações Leoninas

Panorama Theme by Themocracy